PESQUISE NO BLOG

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Viver um Terremoto por Larissa na Itália

Só quando já estava dentro do avião, vindo morar definitivamente na Itália foi que me fiz a pergunta: "Mas... a Itália não é um país sísmico?". Sim. A Itália é um país sísmico. Algumas regiões estão mais sujeitas a sofrer com terremotos e outras menos.
Aqui em Ancona eu sempre ouvi amigos e parentes dizendo que passaram por essa triste experiência. Mas uma coisa é ouvir falar. Outra coisa é sentir na pele.
Na madrugada do dia 21 de julho de 2013 acordei assustada. Eram mais ou menos 03h30. Meio sonolenta, a primeira coisa que senti foi a cama que tremia. Estava naquele estágio entre o dormir e o acordar. O próximo barulho que meus ouvidos conseguiram identificar foram os vidros da janela - vibravam como uma grande caminhão passa na rua. Longe eu ouvia um barulho que mais tarde batizei com o nome de "terra se movendo". Fiquei apavorada. Acho que nunca senti tanto medo em toda a minha vida.  O terremoto pode ter durado 5 segundos ou 20 segundos, mas não tenho como saber. Só sei que para mim, pareceu uma eternidade. Já tinha ouvido muita gente dizendo que quando acontece, é preciso correr para um lugar onde não haja risco de que nenhum objeto caia na sua cabeça como o vão da porta ou debaixo da mesa da cozinha, por exemplo. Mas o medo me paralisou e continuei no escuro do quarto deitada sobre os cotovelos esperando que parasse. Quando aquele pesadelo real terminou eu ainda fiquei ali, esperando que mais alguma coisa acontecesse, esperando um grito, algum outro som, mas nada. Tudo ficou silencioso novamente. Foi só então que me lembrei de acordar o Francesco, que dormia tranquilamente ao meu lado. Quando ele acordou, eu disse: "Sentia a cama se mexer...". Ele não respondeu nada. Fomos à cozinha e eu tomei um calmante bem levinho tipo maracugina. Sentia o coração muito acelerado. Alguns minutos depois, meio relutante, voltei para a cama. Fiquei ali de mãos dadas com meu marido e tentei dormir. Quando finalmente peguei no sono, outro terremoto! Devo ter praticamente saltado da cama porque ele, que estava meio dormindo e meio acordado, me consolou dizendo: "Já vai passar." E após alguns segundos, de novo, passou. Mas dali em diante, a noite foi uma tortura. Dormia e acordava o tempo inteiro e toda hora tinha a sensação de que a cama estava tremendo de novo. Quando me levantei minha sogra ligou pra saber se estava tudo bem e aproveitei pra perguntar sobre a magnitude do terremoto. 4.9 na escala Richter. A escala vai de 01 a 12, sendo um o mais fraco e doze o mais forte. Mais tarde, falando com amigos e parentes por telefone, também descobri que normalmente quem mora em andares mais altos, sente mais forte. Eu moro no térreo e senti como descrevi. Não quero nem pensar em quem mora em andares mais altos.Nos dias que se seguiram, acho que fiquei meio traumatizada porque toda vez que ouvia um barulho, sentia o coração querendo sair pela boca. Agora já me sinto muito mais calma. Gostaria de pensar que não, mas se ou quando acontecer novamente, espero reagir com mais calma. 




Um beijo à todos,

Larissa.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Considerações após dois anos na Itália - Tag: O país que escolhi para viver

Olá pessoal!

Vamos começando com a frase clássica: "Eu sumo, mas eu volto." Este blog é um cantinho que eu sempre acabo deixando um pouco de lado, mas toda vez que volto me pergunto: "Mas por que é que eu não escrevi nada antes? É tão terapêutico!"
Sim, eu adoro escrever. É uma coisa que me relaxa muito. Gosto tanto que neste momento, estou entediando vocês enquanto escrevo sobre escrever. Mil desculpas e vamos ao que interessa porque este post tem uma razão de ser. É fazer um balanço do que tem sido minha vida na Itália desde fevereiro de 2011 até agora - julho de 2013.

Começo ao contrário. Dia 05 de julho deste ano fiz 32 anos. Então decidi olhar pra trás. E toda vez que quero fazer isso, eu volto no tempo vendo fotos, assistindo meus antigos vídeos no youtube e lendo meus posts antigos. Fazendo isso, concluí que conquistei coisas importantes aqui na Itália e isso me deixou muito feliz.


1- Estou com meu marido que amo tanto. Essa é a razão mais importante, claro! E nosso casamento, que no começo eu tinha tanto medo que não desse certo por não nos conhecermos tão bem, vai muito bem, obrigada!
2- Adquiri uma fluência incrível no italiano que jamais teria se estivesse no Brasil. Quando decidi vir pra cá, pensei na hipótese de que meu casamento talvez fosse por água a baixo como muitos hoje em dia, mas friamente pensando, decidi que como bônus eu aprenderia uma nova língua e que isso seria ótimo para o meu currículo.
3- Descobri um novo tipo de culinária. A comida italiana é realmente muito boa. Pode ser ou não light, dependendo de como cada um costuma cozinhar e do que se escolhe nas prateleiras do supermercado. Quando saí do Brasil, muitos me disseram que provavelmente eu engordaria, mas mantive quase o mesmo peso. Aliás, perdi 1 kg.
4- Comecei a fazer academia. Fui obrigada pelo maridão Uma das metas que tinha para a minha vida era que depois dos 30 eu começaria a fazer academia. E com um empurrãozinho do Francesco, realizei mais esse objetivo. Estou indo à academia 2-3 vezes por semana.
5- Fiz novos amigos e amigas por aqui. Depois que cheguei por aqui entendi que as amizades são muito mais importantes do que eu pensava. Devagarzinho estou aprendendo a valorizá-las e a mantê-las. Conheci muitas brasileiras legais por aqui, mas também italianas e até uma alemã muito simpática e bem-humorada que é minha vizinha.

Essas são razões que me deixam mais do que satisfeita com  a minha atual vida. A única que me deixa insatisfeita é o fato de não conseguir emprego por aqui. Mas não posso me permitir desanimar. Quero ter fé e continuar sonhando que um dia terei um emprego legal na Itália - o país que escolhi para viver.

E falando em país que escolhi para viver, a última novidade desse post é um vídeo. Pensando nas perguntas que gostaria de fazer à outras pessoas que moram na Itália ou em outro países e juntando tudo isso com algumas perguntas que recebo diariamente, fiz uma listinha e acabei criando uma tag para o canal LarissanaItália. 


Tag: O país que eu escolhi para viver por Larissa na Itália



Um beijo à todos,

Larissa.