quarta-feira, 4 de abril de 2018

7 anos vivendo na Itália...

No dia 28 de fevereiro deste ano eu completei 7 anos vivendo na Itália! Isso com certeza me trouxe reflexões sobre quem eu era quando cheguei aqui e o que me tornei depois de passar por essa experiência.

Quem eu era...

Em 2011 eu tinha 29 anos, trabalhava em uma empresa de seguros e gostava muito do trabalho que fazia. Era independente, sustentava a minha casa mas minha vida era do trabalho para casa e da casa para o trabalho. Logo que conheci o Francesco (hoje meu marido), comecei a sonhar com uma vida mais ou menos parecida com a que eu tinha composta de casa, trabalho + uma linda família.

Depois de quase 2 anos nos falando pela internet, uma visita minha à Itália e uma visita dele ao Brasil, decidimos que queríamos ficar juntos, casar e finalmente formar a nossa família.

Cheguei à Itália com duas malas de 32kg cada uma, algum dinheiro e muita determinação em conseguir um emprego e começar logo a vida com  a qual eu tinha sonhado.

O início (como todo início?) não foi nenhum um pouco fácil. Tive que aprender a língua em tempo record. Aprendi. Mesmo assim levei 6 meses para conseguir meu primeiro emprego que foi como garçontete e foi um desastre. Contei sobre isso aqui e aqui .

Depois com o tempo (muito tempo aliás) fui atendente de call center (contei sobre isso aqui e aqui), atendente numa peixaria(para ler sobre isso clique aqui e aqui) e embalei malas em papel film no aeroporto da cidade(também falei sobre isso aqui e aqui). À parte o call center que tinha mais ou menos a ver com o trabalho que fazia no Brasil, os outros foram trabalhos que quando estava no Brasil eu nunca tinha sonhado em fazer. Mas sabem como é... as oportunidades apareceram, era pegar ou largar e eu peguei. 

Enquanto ia vivendo minhas experiências por aqui, procurava escrever aqui no blog e fazer vídeos para o canal do Youtube para que outras pessoas também pudessem ter idéia de como é a vida de um imigrante dia-à-dia (coisa que na época eu procurei no Youtube mas não encontrei).

Em 2014 engravidei e em 2015 tive a Melissa. Foram as experiências mais lindas que tive na vida, mas também sou clara quando me perguntam sobre maternidade: "É lindíssimo ser mãe. Mas também é dificílimo na mesma proporção em que é lindo."

Quem eu me tornei...

Agora em 2018 sigo tentanto me encontrar, encontrar meu caminho, encontrar um trabalho que me faça feliz, ser boa mãe, boa esposa.

Depois de todas as experiências que vivi aqui sou uma mulher feita. Atualmente estou com 36 anos. Me sinto muito mais madura, mais cautelosa, mais reflexiva, extremamente realista, talvez até um pouco mais medrosa que a Larissa de 2011. Porque quem não arrisca não petisca. Mas todo risco envolve perdas e ganhos.

Um beijo à todos,

Larissa.



segunda-feira, 4 de abril de 2016

Saiu a Minha Cidadania Italiana!

Que felicidade que eu sinto ao escrever o nome desse post!

Já havia contado para vocês no post sobre a Cidadania Italiana por Matrimônio (Naturalização) que em 2014 resolvi tomar coragem e reunir os documentos para dar entrada na minha Cidadania. 

Pois bem... Há mais ou menos três semanas eu estava tranquila em casa quando tocam o interfone da casa onde moro aqui na Itália. Quando atendi, me informaram que eram do Comune. Na hora fiquei sem entender e pensei: "O que será?" 
Quando cheguei ao portão havia dois policiais que me informaram que eu deveria comparecer ao  Comune porque meu processo de Cidadania tinha sido finalizado e que eu deveria fazer o Juramento que é a última etapa do processo para pode me tornar Cidadã Italiana. Os policiais me informaram também que eu deveria levar uma marca da bollo no valor de 16 euros (uma espécie de selo usado aqui na Itália para fazer a autenticação de documentos).

No vídeo abaixo eu gravei minutos antes de entrar no Comune e logo depois de sair.



Aí vocês me perguntam: "Por que você não filmou enquanto estava dentro do Comune fazendo o Juramento???"

Eu cheguei no escritório e o Senhor responsável pela minha Cidadania foi preenchendo os documentos. O Francesco e a Melissa (meu marido e minha filha) estavam comigo e eu pedi ao Francesco que tirasse algumas fotos enquanto eu fazia o Juramento. Eu estava crente que em algum momento, o senhor do Comune me pediria para ir até uma sala grande e muito bonita que todo Comune tem e que eu faria o meu Juramento lá. Mas isso não aconteceu. Quando percebi, já estava fazendo o Juramento ali mesmo no escritório e nós ficamos "sem jeito" de pedir ao Senhorzinho se podíamos tirar fotos ou gravar. E foi isso. Mas tudo bem, o importante é o resultado.

Gostaria de deixar claro que aqui na Itália ela é tratada como Cidadania por Matrimônio (Do italiano Cittadinanza per Matrimonio) e que o termo "Naturalização" é utilizado no Brasil. 
Os direitos de um Cidadão Naturalizado ou que adquire a Cidadania por família são exatamente os mesmos de qualquer Cidadão Italiano nascido na Itália. Perante a lei não há diferença. Todos são considerados italianos.

E com relação ao nome... No Comune me informaram que antigamente para pessoas que tinham mais de um sobrenome, o sobrenome da mãe era retirado e ficava só o último sobrenome que normalmente no Brasil é o nome do pai. Logo se um homem se chama "João da Silva Pereira César Ferreira" o nome dele aqui na Itália seria "João Ferreira".
Hoje a lei mudou e isso não acontece mais, logo o meu nome permaneceu igualzinho. Me informaram que só há alteração quando a mulher adquire o sobrenome do marido depois de casada. Mas neste caso não sei como fica o nome depois de adquirida a cidadania.

Um grande beijo,

Larissa.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Os 50 Nomes mais usados na Itália

Moro na Itália há cinco anos e desde que cheguei, uma coisa que me causou surpresa para dizer o mínimo foi a questão dos nomes próprios daqui. Antes de chegar eu achava que já tinha uma boa idéia de quais eram os nomes mais usados por aqui, mas aí descobri que não. 
Confesso que alguns nomes são bem parecidos com nomes comuns que conhecemos no Brasil, mas outros são realmente muito diferentes. Em alguns casos muda um pouco a grafia mas ainda é possível reconhecer o nome. 

Foi pensando nisso que decidi fazer o vídeo abaixo:



Espero que gostem! Não esqueçam de comentar logo abaixo.

Um beijo grande,

Larissa.